"De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha
de ser honesto".

(Rui Barbosa)


quarta-feira, 18 de abril de 2012

Eletrovel assina TAC com Ministério Público Federal para sanar prejuízos dos clientes

Estabelecida em Parauapebas há sete anos, ao longo do tempo a Eletrovel, empresa especializada em compra premiadas se acostumou a contemplar seus clientes com bens diversos, como eletrodomésticos, motocicletas e kit construção.

Representante da chamada “Compra Premiada”, a Eletrovel, estabelecida na rua Marabá, no bairro da Paz sempre pautou sua atividade numa relação de extrema confiança com os clientes. Segundo estimativa da proprietária, Antônia Maria da Silva, nos sete anos de atividades, a empresa contemplara cerca de cinco mil clientes. Pela facilidade, o sistema de compra premiada atraia milhares de clientes, se tornando um grande sucesso em Parauapebas e em outras cidades do Estado. “A credibilidade da Eletrovel em honrar seus compromissos com os clientes fizeram com que a empresa fosse muito bem sucedida. Nós nunca tivemos nenhum cliente que reclamasse um prêmio não recebido após a quitação, ou depois de ter sido sorteado”, diz a proprietária.

Apesar da normalidade das operações da Eletrovel, atualmente o segmento tem passado por enormes dificuldades. Informações de que proprietários de compra premiada estariam lesando clientes e se negando a entregar o bem, foram divulgadas. Em várias cidades do Pará houve notícias de prisões e de depredações às lojas do ramo.

Recomendações do Ministério Público Estadual acabaram contribuindo para o caos, uma vez que a informação divulgada afirmava que o negócio era ilegal e que os clientes não deveriam mais pagar as parcelas dos contratos.

Depois disso o segmento foi esvaziado e houve uma corrida de clientes às lojas exigindo a devolução do dinheiro dado. Como não houve mais pagamento por parte dos clientes, o sistema entrou em colapso e o resultado foi uma grande quantidade de pessoas nas lojas querendo receber o dinheiro, ainda que no contrato constasse claramente que a devolução só aconteceria após o final do plano.

Impotente com a situação, Antônia Maria conta que está sendo ameaçada por clientes furiosos, “de uma hora pra outra, as lojas de venda premiada que tanto ajudaram pessoas, sendo uma alternativa fácil para se adquirir motos, eletrodomésticos passaram a ser inimigas da sociedade”.

Por conta da situação que se mostra perigosa, Maria Antônia procurou o Ministério Público Federal para assinar um Termo de Ajuste de Conduta (TAC), no qual ele coloca à disposição da justiça seus bens, como garantia de ressarcimento de eventuais prejuízos dos clientes, “não vou fugir, apesar das ameaças que venho sofrendo e da paralização do recebimento, que inviabilizou a continuidade do negócio, vamos arcar com as responsabilidades. Vamos procurar vender os bens para que todos os clientes recebam o valor investido”, disse à reportagem. Maria enfatizou que o Ministério Público aceitara a oferta da empresa de entregar bens como garantia.

De acordo as suas informações, a carteira da Eletrovel contava com cerca de 200 clientes.

2 comentários:

Anônimo disse...

Eu sou um dos 200 clientes, espero que ela cumpra o que disse, que ela tenha algo p/ vender...

islande nascimento disse...

eu,estou,nu.prejuiso.de,8.500.reas.eja,se,pasarao.2.anos.iater,agora.nada,gostaria.saber,como,anda,ese,proseso.(islande)de,parauapebas