"De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha
de ser honesto".

(Rui Barbosa)


quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Recado

É uma deleite para os olhos os textos do amigo Leo Mendes. Pena que ele esteja tão encharcado do petismo atual, que a bem da verdade, nada tem a ver com o petismo que ele e outros sonharam e vivenciaram e que era respeitado até pelos adversários. Aquele partido que já não existe tinha a ética, a honradez e a transparência no trato da coisa pública como virtudes obrigatórias. Por conta disso, era respeitado até pelos adversários.
Espero que as muitas lambanças futuras não o machuquem tanto, como vêm ocorrendo com certa frequencia, mas é quase invitável. Está no DNA. É difícil (se não impossível) ensinar a uma par de gente a ser honesta, quando estes já foram impregnados com vantagem a qualquer custo.
Eles (os lambanceiros) poderão até ganhar, mas com certeza a vitória não vai trazer felicidade para Leo e uma meia dúzia de petistas sérios que ainda existem. Disso eu tenho certeza.

Um comentário:

Naélia disse...

Realmente os textos do companheiro são fascinantes.Mais esse partido dos trabalhadores não existe mais. A prova esta estampada na ultima eleição, campanha extremamente comercial, o chamado "bico eleitoral". Eu pergunto cadê a convicção de ideias que este partido tinha? Cadê a emoção do vermelho? Tudo está manchado por grandes contradiçãoes.